• RSS
  • Delicious
  • Facebook
  • Twitter

a-dobradura-dos-lencos

William Douglas

Um dia destes recebi da gaveta um lencinho pequeno, sensivelmente menor que de costume, um quadradinho. Protestei com a esposa por terem trocados meus lenços. A dimensão normal deles é de 10 x 10cm, estes que peguei estavam com 7 x 7 cm.

Não é coisa de velho, é que abertos os primeiros se encaixam no meu rosto, já que não sou lá muito pequeno, e o novo modelo não era tão bom para cobrir meu nariz.

A esposa, paciente, alertou-me que era o mesmo lenço, que apenas tinha sido dobrado de forma diferente. Imediatamente, meu lado cientista e pesquisador foi fazer as conferências. Percebi que realmente ele era mais “gordinho” que o modelo tradicional, aquele que além de útil, me lembra a senhora minha mãe. Suspeitei, então, estar passando ao largo de uma verdade essencial e desejei bebê-la.

“Verdade essencial” é qualquer grande conclusão, aprendizado, lição ou frase que você pode assimilar na vida. Estão por aí, nos livros, filmes, peças de teatro, nas conversas com sábios, idosos e crianças, ou, por vezes, em situações vividas, ou escondidas numa paisagem no horizonte.

Hoje, já concluí que depois de escrever para mim, aos outros, às editoras etc., finalmente escrevo aos meus filhos, desejando que eles – caso leiam meus livros – encontrem mais facilmente algumas das verdades essenciais que demorei e sofri muito para, enfim, apreender.

A verdade essencial escondida no lenço é que, me corrijam se estiver errado, conforme nos dobramos, podemos ser maiores ou menores. Nosso tamanho é influenciado pela forma como nos dobramos. E, curiosamente, daí também deriva um segundo enunciado filosofal: de um modo ou de outro, os lenços continuam tendo o mesmo tamanho quando se desdobram.

Começarei pela segunda observação: todos os homens têm valor igual. Como aprendi na Faculdade de Filosofia, UFRJ, o homem que souber todas as coisas não saberá o que é ser ignorante. O homem repleto de bens e propriedades não tem a tranquilidade do pescador humilde; o grande executivo pode não ter a vida pausada do porteiro. Não existe nada de graça: todas as coisas possuem seu preço e seu respectivo ônus.

No nosso campo, o servidor público não poderá ter seu iate, mas, em compensação, tem um horário de trabalho definido e uma qualidade de vida irrealizável para a maior parte dos empresários e executivos. Eu reduzi minhas palestras à metade para ficar com meus filhos, reduzindo a velocidade de expansão profissional em troca de uma outra expansão, não mensurável pelas mesmas vias. São apenas escolhas. Durante muito tempo viajei e curti menos os dias em trocas de conhecimento para hoje, aprovado nos concursos, fazer estas coisas em outro patamar de vida. São apenas escolhas.

Mas, no final, todos os homens valem a mesma coisa. Como diz a Declaração Universal dos Direitos do Homem, todos nascemos iguais em dignidade e direitos, e devemos nos comportar uns em relação aos outros com espírito de fraternidade.

O sábio não pode valer mais do que o tolo, nem o abastado mais que o miserável. O bondoso não é, e isso me assusta, mais importante que o canalha, e suspeito que todos tenhamos mesmo o bondoso e o canalha, o malvado e o filantropo, escondidos em nossas carnes. Leia Mais »

[ Comentar com Facebook ]

comentários

Powered by Facebook Comments

citacao-da-semana-52

Frase extraída de O evangelho maltrapilho, best-seller de Brennan Manning.

Curta a fan page da Mundo Cristão e acompanhe diariamente uma seleção de citações de vários autores da editora.

[ Comentar com Facebook ]

comentários

Powered by Facebook Comments

escolha-a-alegria-no-jornal-empresas-negocios

A coluna Livros em Revista, do jornalista Ralph Peter, citou o livro da  Mundo Cristão. Escrito por Kay Warren, Escolha a alegria mostra como é possível encontrar contentamento em todas as coisas da vida.

[ Comentar com Facebook ]

comentários

Powered by Facebook Comments

 

se-e-para-nossa-fe-ser-criticada-que-seja-pelas-razoes-corretas

Brennan Manning

Qual a qualidade de meu compromisso de fé? Há movimento e desenvolvimento? Está vivo e crescente? Fé é um relacionamento de verdade com Jesus de Nazaré. Como qualquer relacionamento humano de amor, jamais pode ser estabelecido, estático, exaurido, terminal. Quando as Escrituras, a ceia do Senhor e o ministério tornam-se rotina, estão em via de morrer.

Quando não valorizamos o amor do Pai, nós o encurralamos e o privamos da oportunidade de nos amar de maneiras novas e surpreendentes. Então a fé começa a se encolher e murchar. Quando fico tão refinado espiritualmente que “Aba” é coisa ultrapassada, então o Pai deixou de ser pai, Jesus foi domesticado, o Espírito foi amestrado e o fogo pentecostal se extinguiu.

A fé segundo o evangelho é a antítese da religiosidade confortável e cômoda. Fé significa que você deseja intimidade cada vez maior com Jesus Cristo. Custe o que custar, você não quer desejar nada mais. No momento em que concluo que agora sei lidar com o espantoso amor de Deus, estou morto. Poderia mais facilmente conter o golfo do México num pequeno cálice do que seria capaz de compreender o amor arrebatado e incontido de Deus.

Se é para nossa fé ser criticada, que seja pelas razões corretas. Não porque somos emotivos demais, mas porque não somos suficientemente emotivos. Não porque nossas paixões são muito intensas, mas porque são tão insignificantes. Não porque somos afetivos demais, mas porque nos falta um amor profundo, apaixonado e leal pela pessoa de Jesus Cristo.

Combati o bom combate,terminei a corrida, guardei a fé.
2Timóteo 4:7

Fonte: Meditações para maltrapilhos

[ Comentar com Facebook ]

comentários

Powered by Facebook Comments

Redes Sociais

Perfis